Vereador de Porto Alegre registra ocorrência por ameaças após protesto contra hino do RS


Matheus Gomes, do PSOL, tem recebido mensagens de ódio e ameaças após recusar-se a cantar o hino riograndense durante a posse na Câmara de Vereadores. Polícia deve pedir identificação de autores de posts ao Facebook. Polícia investigará ameaças a vereador de Porto Alegre após protesto; grupo de parlamentares se recusou a cantar o hino do RS
Reprodução
O vereador Matheus Gomes (PSOL), de Porto Alegre, registrou na sexta-feira (29) ocorrência contra ameaças e mensagens de ódio que vem recebendo nas redes sociais.
Segundo o parlamentar, desde que a bancada negra da Câmara de Vereadores protestou contra a execução do Hino Rio-grandense, acusado de possuir um verso racista, ele tem sido alvo de centenas de postagens ofensivas.
“Ameaças de agressão física como espancamento, linchamento, empalamento, ameaça de morte”, cita Matheus. Também há mensagens de teor racista, segundo Matheus.
O vereador diz que o protesto promovido na posse, quando vereadores recusaram-se a cantar o hino, é “parte do debate democrático”.
“Nosso protesto na posse em decorrência de um trecho racista do hino do nosso Estado abriu uma importante discussão na nossa sociedade sobre racismo estrutural. Não tenho dúvidas que essas agressões racistas que sofri representam uma minoria”, diz.
Mensagens com ofensas a Matheus em redes sociais
Reprodução
Polícia investigará crimes de ameaça e racismo em mensagens postadas dirigidas a Matheus
Reprodução
A Delegacia de Combate à Crimes de Intolerância, primeira unidade especializada em crimes como racismo, homofobia e injúria qualificada no estado, vai investigar o caso. A titular, Andrea Mattos, informa que deve pedir a identificação dos autores dos posts ao Facebook. Mais de 150 mensagens foram entregues à polícia.
Ainda segundo Andrea, os crimes investigados inicialmente são ameaça e racismo. “Vários perfis parecem verdadeiros”, aponta a delegada.
Debate sobre o hino
Segundo Matheus, um fórum com organizações negras parceiras da sociedade civil está discutindo a letra do hino e a possibilidade de alterar o trecho criticado, que diz: “povo que não tem virtude acaba por ser escravo”. “Tem muitos segmentos abertos a construir essa mudança”, aponta Matheus.
O hino e sua letra está previsto na legislação estadual, que estabelece os símbolos do estado, promulgada em 1066. O grupo se articula para alterar a lei, segundo Matheus, no futuro.
“A estratégia agora é consolidar apoios em diferentes instituições da sociedade e os movimentos sociais”, diz.
“[As mensagens de ódio] São repercussões que refletem o momento político do país: o ódio e a violência como política, em vez do debate de ideias. Não creio que sejam o sentimento da maioria dos gaúchos”, avalia.
Matheus e os demais vereadores da bancada negra da Câmara protestaram durante a execução do hino, comum em cerimônias públicas, na posse da legislatura, ao se recusar a cantá-lo. Parte dos vereadores criticou a bancada.
VÍDEOS: RBS Notícias
O Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), em nota na época, negou que a letra tenha tom discriminatório.

Ultimas notícias

Municípios do RS temem 'apagão' por falta de vacina contra a Covid, diz Conselho das Secretarias de Saúde

Fiocruz e Butantan anunciaram a paralisação na fabricação das vacinas Oxford/AstraZeneca e CoronaVac. Secretaria da Saúde estima que...

Operação dispersa pontos de aglomeração em Porto Alegre

Ocorrências foram registradas nos bairros Centro Histórico, Arquipélago, Cidade Baixa e Moinhos de Vento. Festa realizada em estabelecimento...

Homem de 72 anos é morto a tiros em Porto Alegre

Vítima, identificada como João Carlos Franco Cunha, de 72 anos, foi atingido por dois tiros na nuca e...

Museus recebem visitantes com hora marcada no RS; saiba como agendar

Reabertos após período de restrições, os museus históricos e artísticos da Capital e interior do estado organizam as...

Veja tambem