Tribunal de Justiça suspende liminar e autoriza retorno do sistema de cogestão no RS


Recurso foi movido pela Procuradoria-Geral do Estado. Governo fica autorizado a compartilhar gestão das medidas do Distanciamento Controlado com municípios. Entrada do prédio do Tribunal de Justiça, no bairro Praia de Belas, em Porto Alegre
João Victor Teixeira/G1RS
O desembargador Marco Aurélio Heinz, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS), suspendeu a liminar que impedia a retomada do sistema de cogestão do decreto do distanciamento controlado. A decisão foi publicada no início da tarde deste domingo (21), após recurso da Procuradoria-Geral do Estado (PGE).
Com isso, o governo estadual fica autorizado a compartilhar a gestão das restrições de circulação e atividades com os municípios a partir desta segunda-feira (22).
Na cogestão, as prefeituras podem adotar medidas mais flexíveis do que as estipuladas pelo estado, desde que apresentem protocolos de segurança mais rígidos do que os previstos na bandeira de risco imediatamente inferior.
O magistrado, membro da 22ª Câmara Cível do TJ-RS, considerou não haver ilegalidade na cogestão. No despacho, o desembargador disse que o Judiciário não pode obrigar o governo a tomar decisões sobre a pandemia de Covid-19.
“Não é possível obrigar o Sr. Governador a não flexibilizar o sistema de Distanciamento Controlado, muito menos compelir o Chefe do Executivo a aumentar as restrições do regime de Bandeira Preta como quer a respeitável decisão liminar”, escreveu.
Atualmente, está em vigor no RS a bandeira preta, de risco altíssimo de disseminação do coronavírus. Assim, as prefeituras podem apresentar um plano não menos rígido do que o da bandeira vermelha para avaliação do Executivo estadual.
Governo do RS retoma cogestão e permite abertura de setores econômicos a partir de segunda
Eduardo Leite diz que retomada da cogestão não será um ‘libera geral’
Para Heinz, qualquer ato que venha a causar prejuízos à saúde pública pode ser corrigido pontualmente. “Assim, eventual distorção no sistema de combate a epidemia deve ser reparado pontualmente, sendo reversível qualquer ato que implique flexibilização do Sistema de Distanciamento Controlado em prejuízo à saúde da população”, explicou no despacho.
O magistrado ainda alertou que decisões como a liminar que suspendeu a cogestão levam ao “risco de desinformação da população em geral”. A medida tem validade até o julgamento definitivo do recurso no TJ-RS.
Histórico
Após o anúncio da retomada da cogestão, feito pelo governo no dia 19 de março, nove sindicatos entraram com uma ação pedido a suspensão do sistema. A demanda das entidades foi acatada pelo juiz Eugênio Couto Terra, da 10ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre. Além do recurso interposto pela PGE, municípios e associações empresariais criticaram a decisão judicial, alegando prejuízos às atividades econômicas.
Na noite de quinta-feira (18), o presidente Jair Bolsonaro entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal contra as restrições em prática no Rio Grande do Sul, na Bahia e no Distrito Federal. O governador Eduardo Leite criticou a postura do presidente.
Distanciamento Controlado: entenda sistema vigente no RS
VÍDEOS: Tudo sobre o RS

Ultimas notícias

Voluntários produzem pães para doar a estudantes da rede pública de Taquara

Campanha começou, há três semanas, produzindo 100 pães. Com doações da comunidade, volume foi duplicado. Produção dos pães...

Hospitais gaúchos ganham 80 milhões de reais para o combate ao coronavírus

O governo do Estado repassou, nesta sexta-feira (9), R$ 80 milhões a cerca de 200 hospitais gaúchos para o custeio dos serviços ambulatoriais e...

Municípios do RS notificam Anvisa por lotes de vacina contra a Covid com menos doses do que indicado

Conselho de Secretarias Municipais da Saúde estima perda de 20 mil doses em 100 cidades. Agência afirma que...

Corujas são devolvidas à natureza após tratamento em Porto Alegre

Filhotes foram encontrados em uma rua da Zona Sul da Capital há três meses. Animal é comum em...

Veja tambem