Quarta onda da pandemia: especialistas avaliam chances de novo pico de mortes no RS


Diante do risco de mais uma elevação de casos e mortes da doença, meses após o pico de março, médicos e analistas ouvidos pelo G1 reforçam a necessidade de cuidados e vacinação. Diferente do RS, o Brasil se prepara para a terceira onda da pandemia. Atendimento em ala do Hospital de Clínicas em Porto Alegre, durante o terceiro pico da doença, em março
HCPA/Divulgação
O Rio Grande do Sul enfrenta o risco de uma quarta elevação da curva de mortes pela Covid, enquanto o Brasil se prepara para a terceira. Segundo especialistas em saúde e dados ouvidos pelo G1, números de novos casos e alta nas hospitalizações no estado causam alerta e indicam a necessidade de reforço nos cuidados.
No estado, o primeiro pico da doença aconteceu no inverno do ano passado, com um recorde de média móvel de 58 em 6 de agosto. Depois, antes do fim do ano, viu uma nova elevação, com média móvel de mortes atingindo 71, o recorde do ano, em dezembro.
Em 2021, após uma ligeira queda entre janeiro e fevereiro, os números começaram a escalar rapidamente. Em 1º de abril, a média móvel atingiu 303, após um mês de sucessivos recordes na alta dos casos e mortes.
Entre março e abril, o estado extrapolou ocupação máxima de UTIs, que passaram a operar no último nível do plano de emergência estadual. A partir da primeira semana de abril, as mortes reduziram, mas vêm apresentando estabilidade nas últimas semanas.
O epidemiologista, professora da UFPel e coordenador da Epicovid, Pedro Hallal, lembra que as ondas da doença vêm se sucedendo sem que tenha havido recuperação no nível anterior à elevação.
“O grande perigo dessa nova elevação é que já parte de patamares elevados”, analisa.
Tanto que a variação não deveria ser considerada uma onda, na visão do especialista. “Eu fico em dúvida da terminologia de quarta onda. Se a gente pegar uma onda, como ela faz, ela se forma, vem, estoura e vai até a beira da praia. Na Covid nunca acabam as ondas. O que acontece é que uma nova onda vai se formando a partir do anterior”, afirma.
Hallal acredita que o desempenho do RS na vacinação, que está entre os estados com números mais avançados, seja um aspecto positivo para evitar um novo agravamento no nível que foi em março.
E em relação ao Brasil, o estado demonstra particularidades: “O RS de março a setembro do ano passado tinha números maravilhosos. Nossa pandemia é mais tardia. Para mim, isso tá diretamente relacionado a tratar o distanciamento controlado com ciência e tratar com política”, sinaliza.
‘Sempre dá tempo de mudar o comportamento’
A reitora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Lucia Pellanda, considera que, apesar de sinais como a alta nas hospitalizações em UTI, que atingiu níveis críticos e nesta segunda-feira (31) ficou em 86%, é possível evitar cenários trágicos com a conscientização da população.
“É muito difícil prever, tentando não fazer exercícios de futurologia. Mas sempre dá tempo de mudar o comportamento”, avalia.
“Acho que a gente pode evitar um pico como o que aconteceu em março, ainda dá tempo. Tem dois elementos que podem ser importantes pra gente não ter uma onda igual: as pessoas saberem, conscientemente aumentarem os cuidados, e o segundo elemento é a vacina”, aponta.
Em comparação ao cenário nacional, a especialista avalia que o estado “começou bem”, com números baixos da pandemia no ano passado. “Depois começou uma polarização, uma exaustão. E uma série de mudanças em janeiro, mudanças de rumo do estado. E aí a partir parece que quando virou o ano as pessoas cansaram da pandemia”.
A variante P.1, originada em Manaus, foi apontada como a causadora do pico de março, e segue predominando no estado. “Nenhuma variante, por pior que seja, consegue se espalhar se as pessoas estiverem mantendo os cuidados. É a variante mais a falta de cuidado, com uso de máscaras, distanciamento e ventilação”, aponta.
Até o momento, não há confirmação da variante indiana no estado. Lucia alerta: “É possível que uma nova variante mais transmissível vá piorar muito a situação se o comportamento se mantiver igual”.
Não dá para ‘pagar para ver”
O cientista de dados e coordenador da Rede Análise Covid, Isaac Schrarstzhaupt, afirma ao G1 que percebe tendências de reversão na queda de casos e hospitalizações desde abril.
“Para saber da violência da onda, teríamos de ter certeza sobre o número de suscetíveis que ela pode pegar, e esse número não temos. Dessa forma, eu sempre digo o que disse nos outros aumentos: não dá pra ‘pagar pra ver’. Quando há um aumento de casos de Covid-19 é motivo para agir instantaneamente, pois já vimos do que essa doença é capaz”, diz.
Diferentemente do primeiro ano da pandemia, quando as curvas aumentavam primeiro nas regiões do Norte do país para depois ampliarem no RS, Isaac vê agora a pandemia no estado mais “coordenada” com o Brasil.
“Desde o começo de 2021 tivemos a chegada da doença a praticamente todo o país e aí os aumentos/quedas ficaram um pouco mais sincronizados do que em 2020, quando tínhamos um “caminho” que começava pela região Norte e só depois chegava na região Sul”.
VÍDEOS: Tudo sobre o RS

Ultimas notícias

MP faz operação em penitenciária de Guaíba; agente é suspeito de comandar esquema de negociação com detentas

Agente penitenciário seria responsável por fornecer celulares a detentas, suspeitas de serem integrantes de facção criminosa. Operação...

Mulher é morta a tiros em Viamão; ex-marido é apontado como suspeito, diz polícia

Após cometer o crime, homem se jogou da nova Ponte do Guaíba, em Porto Alegre, afirma delegada. Vítima...

Família é presa por suspeita de tortura, escravidão e estupro a mulher com deficiência no RS

Ela era obrigada a trabalhar mais de 15 horas por dia sem comida e bebida e sem poder...

'Descobrir que tu está viva é fora de série', diz mulher que passou 175 dias com Covid em UTI do RS

Cristiane dos Reis Duarte, de 44 anos, foi hospitalizada em 30 de novembro do ano passado com a...

Veja tambem