Prefeitura disponibiliza caminhões para recolher lixo durante paralisação de trabalhadores em Porto Alegre


Município afirma que 38 bairros são afetados pela interrupção na coleta de resíduos. Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região faz mediação do impasse entre trabalhadores e empresa terceirizada. Prefeitura de Porto Alegre organiza força tarefa para recolher o lixo
A Prefeitura de Porto Alegre disponibilizou, nesta quarta-feira (9), caminhões para o recolhimento de lixo. O serviço está interrompido desde terça (8), em ao menos 38 bairros, em razão da greve de servidores de uma empresa terceirizada que faz a coleta na Capital.
Os trabalhadores pedem o pagamento de benefícios, como férias, e manutenção dos veículos. A empresa B.A. Meio Ambiente disse, em nota, que cumpre com suas obrigações em dia (leia abaixo).
A prefeitura afirmou que não deve à companhia, efetuando repasses mensais de aproximadamente R$ 4 milhões.
Prefeitura colocou veículos próprios para recolher lixo em Porto Alegre
Reprodução/RBS TV
Segundo a prefeitura da Capital, a força-tarefa conseguiu coletar 50% do lixo acumulado nas regiões atendidas pela terceirizada.
A reportagem da RBS TV flagrou acúmulo de lixo em bairros, principalmente na Zona Norte da cidade. Moradores reclamam do mau cheiro. Como muitas localidades ainda não têm contêineres de coleta automatizada, a prefeitura pede que a população evite depositar os resíduos nas ruas.
Interrupção da coleta afeta 38 bairros de Porto Alegre
Reprodução/RBS TV
Impasse jurídico
O Executivo municipal solicitou, ao Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-4), a realização de uma audiência de conciliação a fim de resolver o impasse.
Na tarde desta quarta, o TRT-4 indeferiu ação da B.A. Meio Ambiente, que foi à Justiça devido ao bloqueio da saída da sede, pelos trabalhadores, com o uso de caminhões.
No entendimento da juíza Marina dos Santos Ribeiro, a manifestação realizada pelos grevistas é “ordeira e legítima”. A magistrada solicitou que a Brigada Militar acompanhe o protesto, para garantir que os servidores que desejem trabalhar não sejam impedidos.
Trabalhadores da coleta de resíduos se manifestam em Porto Alegre
Reprodução/RBS TV
Nota da empresa B.A. Meio Ambiente:
“A B.A. MEIO AMBIENTE esclarece que atende integralmente o contrato junto ao Município de Porto Alegre, estando com todos os salários e demais obrigações trabalhistas dos colaboradores rigorosamente em dia.
Todas as reivindicações foram ouvidas, porém alguns funcionários se mostraram relutantes em prosseguir com qualquer negociação e em claro abuso do seu direito constitucional à manifestação.
O judiciário foi acionado e por meio de decisão judicial foi determinado que a Brigada Militar acompanhe as manifestações e garanta que os funcionários que pretendem executar as suas atividades possam sair com os caminhões da garagem em segurança.
A empresa preza pela ordem e que os serviços retornem de forma pacífica. A B.A. Meio Ambiente sempre primou pela qualidade dos serviços e apresenta mensalmente os comprovantes de todas as obrigações perante o Departamento de Limpeza Urbana, cooperando com o Poder Público e com a moralidade.”
VÍDEOS: Tudo sobre o RS

Ultimas notícias

MP faz operação em penitenciária de Guaíba; agente é suspeito de comandar esquema de negociação com detentas

Agente penitenciário seria responsável por fornecer celulares a detentas, suspeitas de serem integrantes de facção criminosa. Operação...

Mulher é morta a tiros em Viamão; ex-marido é apontado como suspeito, diz polícia

Após cometer o crime, homem se jogou da nova Ponte do Guaíba, em Porto Alegre, afirma delegada. Vítima...

Família é presa por suspeita de tortura, escravidão e estupro a mulher com deficiência no RS

Ela era obrigada a trabalhar mais de 15 horas por dia sem comida e bebida e sem poder...

'Descobrir que tu está viva é fora de série', diz mulher que passou 175 dias com Covid em UTI do RS

Cristiane dos Reis Duarte, de 44 anos, foi hospitalizada em 30 de novembro do ano passado com a...

Veja tambem