Morrem três pacientes que receberam nebulização com hidroxicloroquina em Camaquã, diz diretor técnico de hospital


Médico Tiago Bonilha diz que prontuários apontaram taquicardia ou arritmias horas após o tratamento, mas não estabelece relação entre procedimento e os óbitos. Terapia não tem eficácia comprovada. Entrada do Hospital Nossa Senhora Aparecida, em Camaquã
HNSA/Divulgação
O Hospital Nossa Senhora Aparecida, de Camaquã, no Centro-Sul do RS, confirmou, nesta quarta-feira (24), a morte de três pacientes com coronavírus que foram nebulizados com uma solução de hidroxicloroquina. O procedimento foi administrado pela médica Eliane Scherer, denunciada pela instituição ao Ministério Público e ao Conselho Regional de Medicina.
Segundo o diretor técnico do hospital, Tiago Bonilha, os internados apresentaram taquicardia ou arritmias após a nebulização.
“Não tenho como atribuir melhora, ou piora diretamente ao procedimento, mas de fato, o desfecho final de três pacientes submetidos a terapia foi óbito. Todos eles têm documentado em prontuário taquicardia ou arritmias algumas horas após receberem a nebulização. Dois deles já estavam em grave estado geral, com insuficiência respiratória em ventilação mecânica, e um deles estava estável recebendo oxigênio por máscara com boa evolução”, descreve Bonilha.
O G1 tenta contato com a médica, sem sucesso. Eliane Scherer foi afastada pelo hospital, após suposto assédio moral cometido contra enfermeiros que teriam se recusado a realizar a nebulização.
Estudos feitos em várias partes do mundo desde o ano passado não comprovaram a eficácia da hidroxicloroquina no tratamento contra a Covid-19. Neste mês, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou que o medicamento não seja usado como prevenção da doença.
Durante o final de semana, ao menos duas pessoas buscaram, no Judiciário, a aplicação da nebulização. Um dos pedidos foi concedido, desde que a médica assumisse o tratamento integral da paciente e que os familiares assinassem um termo eximindo o hospital de responsabilidades.
O diretor Tiago Bonilha diz que irá aguardar manifestação do Conselho Regional de Medicina. No entanto, como afirma não ter experiência com este tipo de terapia e não encontrou referências seguras para aplicá-la, optou por não fazer.
“Infelizmente, nesse cenário de desespero, polarização e politicagem, diante de muita pressão da sociedade, permitimos que, via judicial e de maneira formalizada, os pacientes que desejavam receber essa terapia assim o fizessem”, pontua.
Na sexta-feira (19), o presidente Jair Bolsonaro defendeu a atuação da médica Eliane Scherer durante entrevista a uma rádio do Rio Grande do Sul.
“A doutora me disse e eu já tinha comprovado isso também. Ela falou, muito humildemente, que não é uma ideia dela a questão a questão da nebulização. A primeira vez que ouviu falar foi lá no estado do Amazonas”, afirmou na ocasião.
O G1 entrou em contato com o Palácio do Planalto, solicitando posicionamento sobre a questão.
O chefe do Serviço de Pneumologia do Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre, alerta para potenciais riscos provocados pela nebulização de hidroxicloroquina. Segundo Marcelo Gazzana, não há resultados conclusivos sobre a eficácia do procedimento.
“Há dano potencialmente, sim. Quando a gente faz medicação inalatória, tem que ser adequada. Não apenas pegar um comprimido e botar no inalador”, disse.
Vídeos: RBS Notícias
Initial plugin text

Ultimas notícias

Voluntários produzem pães para doar a estudantes da rede pública de Taquara

Campanha começou, há três semanas, produzindo 100 pães. Com doações da comunidade, volume foi duplicado. Produção dos pães...

Hospitais gaúchos ganham 80 milhões de reais para o combate ao coronavírus

O governo do Estado repassou, nesta sexta-feira (9), R$ 80 milhões a cerca de 200 hospitais gaúchos para o custeio dos serviços ambulatoriais e...

Municípios do RS notificam Anvisa por lotes de vacina contra a Covid com menos doses do que indicado

Conselho de Secretarias Municipais da Saúde estima perda de 20 mil doses em 100 cidades. Agência afirma que...

Corujas são devolvidas à natureza após tratamento em Porto Alegre

Filhotes foram encontrados em uma rua da Zona Sul da Capital há três meses. Animal é comum em...

Veja tambem