Idosa morre após picada de cobra no RS; família reclama de demora na transferência hospitalar



Aposentada limpava pátio de casa quando foi atacada por filhote de jararaca, em Osório, no Litoral Norte do estado. Vítima sofreu AVC e precisou ser transferida para Porto Alegre. Maria de Lourdes Rosa sofreu AVC após picada de cobra e não resistiu.
Arquivo pessoal
Uma idosa morreu após ser picada por uma cobra, em Osório, no Litoral Norte do Rio Grande do Sul. O incidente ocorreu na sexta-feira (5), quando Maria de Lourdes Rosa, de 64 anos, limpava o pátio de casa. Ela morreu na segunda (8).
De acordo com o filho, Vinícius Rosa, um filhote de jararaca picou a aposentada na mão, entre os dedos polegar e indicador, enquanto ela recolhia restos de folhas de uma palmeira.
Maria de Lourdes foi encaminhada para o Hospital São Vicente de Paulo, em Osório, e sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) na madrugada de sábado (6). A idosa chegou a ser transferida para a Santa Casa de Porto Alegre, mas não resistiu às complicações.
Maria de Lourdes deixa marido, filho, neto e nora. Ela foi sepultada na terça (9), data em que completaria 65 anos.
Reclamação de familiares
A família da vítima relatou problemas na transferência de Maria de Lourdes de Osório para Porto Alegre. Segundo Vinícius, a mãe esperou uma ambulância por três horas, entre 6h e 9h da manhã de sábado.
O secretário da Saúde de Osório afirma que o Samu foi chamado para a operação, mas que o médico de plantão estava afastado em razão de uma gastroenterite. Segundo Danjo Rene, o médico substituto só chegou ao local às 9h.
A alternativa encontrada, explicou o secretário, foi chamar uma ambulância privada contratada pela prefeitura. No entanto, o veículo estava em Torres, também no Litoral Norte, e demorou para chegar em Osório.
“Foi chamado o Samu que estava com médico afastado com gastroenterite, e foi chamada outra ambulância que o município compra o serviço. Só que a empresa vencedora da licitação é de Torres, até que chegue aqui em Osório demora um pouco. A angústia dia familiares com certeza deve ter sido grande”, explicou.
Danjo Rene afirmou ter cobrado explicações da coordenação estadual do Samu sobre a ausência de um substituto para o profissional afastado.
O G1 procurou a Secretaria Estadual da Saúde para obter esclarecimentos, mas ainda não obteve resposta.
O Hospital São Vicente de Paulo afirmou que as transferências são de responsabilidade do município e do Samu.
Comoção entre colegas
Lourdinha, como era conhecida, trabalhou em uma loja de roupas e tecidos da cidade por mais de 40 anos. Mesmo aposentada, ela seguia frequentando o estabelecimento. Nas redes sociais da empresa, colegas e clientes lamentaram o ocorrido.
Orientação das autoridades
A Secretaria da Saúde de Osório afirmou que casos envolvendo cobras não são comuns no município, mas que, com o calor, os animais podem ser vistos em algumas localidades.
O secretário Danjo Rene orienta que, em situações do tipo, o Comando Ambiental da Brigada Militar deve ser acionado. O município garante estoque de soro antiofídico disponível para o primeiro atendimento.
VÍDEOS: Jornal do Almoço

Ultimas notícias

Voluntários produzem pães para doar a estudantes da rede pública de Taquara

Campanha começou, há três semanas, produzindo 100 pães. Com doações da comunidade, volume foi duplicado. Produção dos pães...

Hospitais gaúchos ganham 80 milhões de reais para o combate ao coronavírus

O governo do Estado repassou, nesta sexta-feira (9), R$ 80 milhões a cerca de 200 hospitais gaúchos para o custeio dos serviços ambulatoriais e...

Municípios do RS notificam Anvisa por lotes de vacina contra a Covid com menos doses do que indicado

Conselho de Secretarias Municipais da Saúde estima perda de 20 mil doses em 100 cidades. Agência afirma que...

Corujas são devolvidas à natureza após tratamento em Porto Alegre

Filhotes foram encontrados em uma rua da Zona Sul da Capital há três meses. Animal é comum em...

Veja tambem