Como está aquele caso: João Beto, morto por dois seguranças em um supermercado no RS


G1 reúne os desdobramentos mais recentes em investigações e processos de crimes de grande repercussão em 2020. Saiba o que aconteceu no caso do homem negro que foi espancado e morto em uma unidade do Carrefour, em Porto Alegre. João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi espancado e morto por dois homens brancos em Porto Alegre.
Reprodução/Redes sociais
João Alberto Freitas, de 40 anos, foi morto por dois seguranças brancos, na noite de 19 de novembro, véspera do Dia da Consciência Negra, no estacionamento de uma unidade do Carrefour em Porto Alegre. O homem negro foi espancado após um desentendimento com uma funcionária do supermercado.
Os agressores são o ex-policial militar Giovane Gaspar da Silva, de 24 anos, e o segurança Magno Braz Borges, de 30 anos. Eles foram presos em flagrante e tiveram a prisão preventiva decretada no dia seguinte. Testemunhas registraram imagens das agressões.
O que já sabemos sobre o caso João Alberto
O que aconteceu desde então
Em 11 de dezembro, a polícia indiciou seis pessoas por homicídio triplamente qualificado: por motivo torpe, asfixia e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Eles foram denunciados pelo Ministério Público seis dias depois e viraram réus no dia 18 de dezembro. Não houve indiciamento nem denúncia por racismo. A delegada falou em racismo estrutural como uma das causas para determinar a conduta das pessoas envolvidas no assassinato.
Segundo a denúncia, são autores do crime os seguranças Giovane e Magno, além da agente de fiscalização do Carrefour Adriana Alves Dutra. A mulher, que aparece de blusa branca nas imagens do espancamento, foi presa temporariamente cinco dias após o crime.
A polícia entendeu que Adriana teria poder de comando sobre os seguranças, mas não pediu que eles parassem. O pedido de prisão preventiva dela foi aceito pela Justiça e convertido em domiciliar. De acordo com laudos e exames apresentados pela defesa, Adriana tem uma doença nefrológica severa e crônica.
Outros três acusados de participação na morte tiveram prisão preventiva solicitada pela polícia e pelo MP. São eles: Paulo Francisco da Silva, Kleiton Silva Santos e Rafael Rezende. A Justiça negou o pedido e eles respondem em liberdade.
A juíza da 2ª Vara do Júri de Porto Alegre, Cristiane Busatto Zardo, considerou que os três desempenharam participação de menor importância no homicídio.
Giovane, que era policial militar temporário, foi exonerado do cargo na Brigada Militar no dia 3 de dezembro. No dia 9 de dezembro, a Justiça do RS negou o pedido de liberdade provisória do ex-policial e decidiu que a BM precisa informar se ele deve continuar no presídio militar. Magno, o segundo segurança, está na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas.
Em depoimento à Polícia Civil, Giovane disse que não percebeu que João Beto estava morto. O ex-policial disse ainda que a fiscal Adriana não deu nenhuma ordem para que vítima fosse liberada. A defesa de Magno informou que ele só vai se pronunciar durante o processo.
Próximos passos
O processo tramita na Justiça do Rio Grande do Sul.
Veja o que já foi publicado sobre o assunto:
Homem negro é espancado até a morte em supermercado do grupo Carrefour em Porto Alegre
‘Ele gritava que não conseguia respirar’, diz amigo de negro morto em supermercado de Porto Alegre
‘Ele pediu: Milena, me ajuda’, diz mulher de homem negro morto em Carrefour de Porto Alegre
‘Agressão covarde’, diz pai de homem negro morto por seguranças brancos em supermercado de Porto Alegre
‘Era esperto, brincalhão’, diz amigo de infância sobre homem negro morto espancado em supermercado no RS
Negro morto no Carrefour: polícia investiga também pessoas que ‘assistiram passivamente’, diz delegada
‘Sem cena, tá? A gente te avisou da outra vez’, diz segurança enquanto João Alberto estava imobilizado e agonizava
Morte de homem negro em supermercado no RS: veja repercussão
Após morte em supermercado, rede anuncia que não vai mais contratar segurança terceirizada
Governador do RS diz que houve ‘excesso de violência’ em morte de negro em supermercado de Porto Alegre
Laudo inicial da perícia aponta asfixia como causa da morte de homem negro espancado em supermercado em Porto Alegre
Justiça do RS aceita pedido para prorrogar investigação sobre morte de João Alberto
Defesa pede liberdade provisória de segurança preso pela morte de João Alberto
Sete pessoas são investigadas no inquérito que apura morte de João Alberto em supermercado
Caso João Alberto: Após quase 40 depoimentos, polícia ainda tenta desvendar motivação do crime
Ex-PM diz à polícia que não sabia que João Alberto estava morto: ‘Achei que estivesse encenando’
Funcionária de supermercado abordada por João Alberto diz em depoimento que ele ‘parecia estar furioso com alguma coisa’
‘Se a senhora conseguir acalmar ele, a gente tira todo mundo de cima’, disse funcionária durante espancamento de homem negro em supermercado
Cliente de supermercado relata que seguranças ficaram ‘desorientados’ ao perceber que João Alberto não respirava
Polícia prende funcionária do Carrefour envolvida na morte de João Alberto
Funcionária do Carrefour alegou saúde debilitada para não impedir agressões no caso da morte de João Alberto no RS
Polícia apura se funcionária mentiu em depoimento sobre morte de João Alberto em supermercado de Porto Alegre
Supermercado Carrefour reabre pela primeira vez após morte de João Alberto em Porto Alegre
‘Jamais se justificaria’, diz delegada sobre morte brutal de João Alberto em unidade do Carrefour no RS
Manifestação pede justiça por João Alberto em frente a unidade do Carrefour em Porto Alegre
Corpo de João Alberto, morto após ser espancado em unidade do Carrefour, é enterrado em Porto Alegre
Carrefour diz que 20 de novembro foi o dia mais triste de sua história, e presidente global ordena revisão de treinamento dos funcionários
Polícia indicia seis por morte de João Alberto no Carrefour em Porto Alegre
Polícia cita ‘racismo estrutural’ na conduta de envolvidos na morte de João Alberto no RS
Caso João Beto: para especialistas do movimento negro, indiciados deveriam responder por racismo
MP denuncia seis pessoas pela morte de João Alberto em supermercado de Porto Alegre
Denunciados pela morte de João Alberto viram réus; Justiça nega prisão de três envolvidos

Ultimas notícias

Voluntários produzem pães para doar a estudantes da rede pública de Taquara

Campanha começou, há três semanas, produzindo 100 pães. Com doações da comunidade, volume foi duplicado. Produção dos pães...

Hospitais gaúchos ganham 80 milhões de reais para o combate ao coronavírus

O governo do Estado repassou, nesta sexta-feira (9), R$ 80 milhões a cerca de 200 hospitais gaúchos para o custeio dos serviços ambulatoriais e...

Municípios do RS notificam Anvisa por lotes de vacina contra a Covid com menos doses do que indicado

Conselho de Secretarias Municipais da Saúde estima perda de 20 mil doses em 100 cidades. Agência afirma que...

Corujas são devolvidas à natureza após tratamento em Porto Alegre

Filhotes foram encontrados em uma rua da Zona Sul da Capital há três meses. Animal é comum em...

Veja tambem