Após cesárea de emergência e intubação devido à Covid, mãe e filha passam juntas 1º Dia das Mães em Esteio: 'Sou abençoada'


Vanessa Bezerra de Sousa, 35 anos, conheceu a filha Isabela duas semanas depois do parto. Neste domingo, elas vão comemorar a data com toda a família. Avô da bebê, Francisco, de 62 anos, também se recupera da doença após quase um mês internado. Vanessa conheceu a filha Isabela 15 dias após o parto
Arquivo pessoal
Isabela Demutti tem dois meses de vida e, portanto, não irá lembrar deste domingo (9). Mas o primeiro Dia das Mães que ela irá passar com a toda a família, em Esteio, na Região Metropolitana de Porto Alegre, ganhou outra simbologia depois que a mãe, Vanessa Bezerra de Sousa, 35 anos, teve 75% do pulmão comprometido em função da Covid-19, precisou passar por uma cesárea de emergência e ser intubada.
“Depois de tudo isso, a gente tem um ensinamento: contar mais com a família, contar mais com os amigos e fazer mais pelos outros. É assim que a gente se vê. Não diferente de antes, mas com mais intensidade. Sou abençoada por estar com a minha família, diz Vanessa.
Vanessa é publicitária, empresária, atleta e árbitra de jiu-jitsu. Em março de 2020, passou oito dias com os sintomas do coronavírus e isolada por mais 19. Como não tinha teste na época, fez somente o exame sorológico três meses depois, quando houve a detecção de anticorpos.
Em agosto, Vanessa descobriu que estava grávida. Manteve a rotina de treinos até a 30ª semana de gestação, mas parou nas quatro seguintes porque a filha já interagia bastante na barriga.
E, então, Vanessa começou apresentar febre. Ela resolveu fazer novos exames para saber se havia se reinfectado. Os dois primeiros testes deram negativo, mas o obstetra sugeriu que ela fosse ao Hospital Regina, em Novo Hamburgo, para avaliar as condições da menina. Em questão de dias, o quadro se agravou.
“Fui sábado para o hospital. Como não poderia fazer uma tomografia devido à gravidez, fizeram uma ecografia, na segunda, e viram que o líquido havia secado. Fizeram uma cesárea de emergência, a Isabela foi pra UTI neonatal e eu para a recuperação da UTI. Dois dias depois, precisei ser intubada”, conta.
Da foto que registra o nascimento de Isabela, Vanessa só lembra do clique e do choro da menina. Ela só foi conhecer a filha, de fato, duas semanas depois, já que ficou 11 dias no respirador e mais alguns dias em recuperação.
“Foi muito louco, porque conheci minha filha com 15 dias. Quando ela fez 1 mês, estava há apenas duas semanas em casa, e ainda delirando por conta dos sedativos. Foi difícil acreditar que entrei com uma barriga e saí com um bebê que era a cara do pai, a cor do pai, não podia amamentar. Quando ela fez um mês, ainda era uma estranha. Foi difícil criar um vínculo, que só consegui criar mesmo no segundo mês. Agora estamos cada vez mais juntas”, conta.
Isabela nasceu prematura e completa dois meses em maio
Arquivo Pessoal
Avô da bebê também precisou ser hospitalizado
A luta das duas foi a luta de toda a família. Os pais de Vanessa também tiveram o coronavírus. A mãe, Rejane, de 60 anos, ficou debilitada, mas logo se recuperou. O pai, Francisco, de 62, que estava melhor, teve um agravamento súbito e também precisou ser intubado.
Ele ficou 12 dias no respirador e mais uma semana sedado, sem conseguir despertar. Ainda precisou se recuperar no quarto. Quando conheceu a neta, já havia passado um mês.
“Minha mãe foi uma guerreira. Passou os meses de março e abril em prantos, cuidando de mim em um [quarto] e do pai no outro. Muita oração. Se um dia fui cética, não sou mais”, diz Vanessa.
Francisco conheceu a neta, Isabela, depois de um mês
Arquivo Pessoal
Sequelas da doença
Quase dois meses depois, Vanessa ainda não se considera totalmente recuperada. Ela conta que ainda não tem firmeza para pegar a caneta e escrever, pratica a memória com jogos e desenvolveu uma alergia sempre que a oxigenação baixa.
“Renasci mesmo. Falando com meu pai, a gente tem umas releituras da vida. Não pode juntar mágoas, juntar dinheiro. A gente precisa juntar aprendizado. A gente está aqui por algum motivo. É muita perseverança uma mesma família, em sequência, passar por isso, então a gente é muito grato”, diz Vanessa.
Vanessa é casada com Fernando. Além da Isabela, o casal tem outro filho, o Murilo. Ela conta que o marido “literalmente fez e faz tudo” por eles.
Depois por tudo o que passou, Vanessa passou a valorizar ainda mais os momentos com os filhos e o pai, e a agradecer pela presença da mãe, do irmão e do marido.
Murilo, Fernando e Vanessa com Isabela
Arquivo Pessoal
Vídeos: Tudo sobre o RS
Initial plugin text

Ultimas notícias

MP faz operação em penitenciária de Guaíba; agente é suspeito de comandar esquema de negociação com detentas

Agente penitenciário seria responsável por fornecer celulares a detentas, suspeitas de serem integrantes de facção criminosa. Operação...

Mulher é morta a tiros em Viamão; ex-marido é apontado como suspeito, diz polícia

Após cometer o crime, homem se jogou da nova Ponte do Guaíba, em Porto Alegre, afirma delegada. Vítima...

Família é presa por suspeita de tortura, escravidão e estupro a mulher com deficiência no RS

Ela era obrigada a trabalhar mais de 15 horas por dia sem comida e bebida e sem poder...

'Descobrir que tu está viva é fora de série', diz mulher que passou 175 dias com Covid em UTI do RS

Cristiane dos Reis Duarte, de 44 anos, foi hospitalizada em 30 de novembro do ano passado com a...

Veja tambem