Microfranquias se tornam opção de investimento ‘barato’ durante a pandemia

O pico da pandemia da Covid-19 teve um impacto profundo na sociedade e nos negócios. Com a melhora do cenário, especialmente com a retomada gradual da atividade econômica e da circulação de pessoas, novos movimentos e oportunidades de negócios começaram a emergir. O aumento do desemprego e a baixa taxa de juros no Brasil fizeram surgir um interesse maior dos empreendedores por microfranquias, cujo investimento inicial vai de R$ 3 mil a R$ 90 mil.  Esse movimento se reflete no maior volume de interessados no tema, na venda de unidades franqueadas e no lançamento de modelos com este perfil por parte de redes tradicionais. Atualmente, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF), operam no país 562 redes com modelo de microfranquia, sendo 63% puras (apenas com este modelo) e 37% mistas (com este modelo e o de franquia tradicional).

Historicamente, de acordo com a ABF, as franquias de baixo investimento já tem uma procura maior, de cerca de 60%. Porém, nos meses de maio, junho e julho de 2020, quando o último estudo sobre o tema foi feito, houve um aumento de 14% em relação aos três meses antecedentes. Atualmente, 40% das páginas mais visitadas do portal da ABF são sobre microfranquias e, pela primeira vez, 80% do público que busca uma franquia declara que tem até R$ 100 mil para investir. “As pessoas realmente estão procurando essa opção pela pandemia e pelos juros baixos, deixar o dinheiro parado não rende mais. Tivemos muita gente que perdeu o emprego, que já tinha um pequeno negócio, ou pessoas que escolheram ter uma diversidade maior para diluir o risco”, explica a diretora de microfranquias da ABF, Adriana Auriemo. Segundo a Associação, há dois perfis principais: profissionais que perderam o emprego e com o dinheiro da rescisão decidem investir, e pequenos empresários que aproveitam a queda dos preços dos aluguéis e a baixa dos juros para abrir novas frentes. 

Recuperação do franchising

Depois de um período desafiador no 2º trimestre, o setor de franquias acelerou sua trajetória de recuperação em julho, registrando uma redução média de faturamento de 7,2% em relação ao mesmo período de 2019, segundo levantamento da ABF em parceria com a empresa de pesquisas AGP. Alguns setores registraram um crescimento até maior em comparação com julho do ano passado, como Casa e Construção, que teve um aumento de 36%, e Serviços e Outros Negócios, que cresceu 9%, alavancado por serviços logísticos e B2B. Esse é o caso da microfranquia CredFácil, empresa especializada em empréstimos consignados, que teve uma alta de 300% na venda de novas franquias, e de 30% no faturamento. “Vindo na contramão do mercado, começamos a crescer no início da pandemia. Muitos empresários começaram a migrar de segmentos que exigiam lojas físicas e estoques, e nosso negócio se tornou interessante pelo custo operacional bem menor, além de não necessitar de uma loja física aberta, já que o trabalho é 100% digital e online”, afirma o fundador da CredFácil, André Oliveira.

Entre os associados da ABF, ao menos 13 redes expandiram a venda de unidades de microfranquia nos últimos meses, além de quatro redes tradicionais que lançaram modelos com este perfil. Por exemplo, Acquazero, Ginástica do Cérebro e Pormade apresentaram crescimento na venda de unidades de microfranquia de 40%, 40% e 63%, respectivamente. De outro lado, redes como a Blu Sol Energia Solar, Calçados Bibi, Park Idiomas e Sóbrancelhas lançaram modelos com investimento inicial de até R$ 90 mil. O RapidãoApp, aplicativo de delivery que foi formatado para atender pequenas e médias cidades, também viu os números decolarem. “A pandemia serviu como um acelerador para o nosso negócio. Até fevereiro tínhamos 56 franquias e estimávamos chegar até o final do ano com 300. Agora, já esperamos terminar 2021 com 500 franquias”, conta Wilton Hermes, diretor operacional e cofundador do negócio. Para ele, o isolamento social fez crescer a demanda pelo serviço de delivery, tanto dos consumidores, quanto dos estabelecimentos, que enxergaram isso como uma alternativa à falência. 

Procura maior por home based

No início da pandemia, a procura maior, segundo a diretora de microfranquias da ABF, Adriana Auriemo, foi para os setores que tinham relação com as demandas do momento, como serviços de limpeza, tecnologia e marketing digital. A adoção do modelo home office por 46% das empresas brasileiras nesse período, conforme dados da Pesquisa Gestão de Pessoas na Crise Covid-19, fez crescer o interesse também por modelos home based, que tem como característica principal o trabalho remoto. De acordo com Adriana, outra vantagem observadas no negócio de franquias durante a crise foi o modelo em rede, que possibilita divisão de investimentos e economia em todas as partes da cadeia. Além disso, há algumas garantias, como o auxílio das franqueadores, que tem mais poder para negociar com os fornecedores e com os pontos comerciais. “É uma maneira mais segura e rápida. Às vezes começar sozinho é muito mais demorado. Na franquia a marca já é conhecida, os manuais já são estabelecidos, muita franquias inclusive já tem uma cartela de clientes”, explica. “O risco é menor. Quando falamos de investimento é muito relativo, mas na microfranquia a vantagem é que você consegue encolher de uma maneira mais segura. Quando você tem um negócio maior, em um momento como esse você pode ficar mais prejudicado”, complementa.

Ultimas notícias

Ideias para vender produtos artesanais

Empreender, para muitas pessoas, tornou-se uma forma de fazer uma renda extra. Desse modo, com o objetivo de auxiliar as pessoas que...

Melhores localidades em Tocantins para se conhecer

Frederico Gayer Machado de Araujo, grande empresário e nativo de Tocantins, comenta sobre os melhores lugares para se conhecer em seu...

Como manter um cabelo lindo e cacheado?

Para Leandra, a Diva do Brás, o cabelo cacheado está cada vez mais em alta, podendo até ser uma nova tendência nos...

Marco Antonio Carbonari dá dicas de harmonização com queijos

Receber amigos ou pessoas especiais em uma noite de vinhos para degustação e aperitivos é um dos programas...

Veja tambem