Governo inicia nesta quarta nova etapa de pagamento do auxílio emergencial

A Caixa Econômica Federal começa a pagar nesta quarta-feira, 30, a chamada extensão do auxílio emergencial, que, a partir de agora, será de R$ 300 ou R$ 600, no caso de mães om filhos. Os pagamentos acontecem até dezembro. No entanto, não são todos os beneficiários que receberão as quatro parcelas adicionais do programa. Segundo o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, os pagamentos consideram o mês que os beneficiários começaram a receber o auxílio. “Os 31 milhões de brasileiros, além daqueles do Bolsa Família, que começaram a receber em abril vão receber as quatro parcelas [adicionais]. Quem começou em maio, ou seja, um mês de diferença, receberá três parcelas do auxílio extensão. Quem recebeu e junho duas parcelas e em julho uma parcela”, afirma.

O número de brasileiros que estão recebendo auxílio aumentou para 67,7 milhões. Dados divulgados pela Caixa mostram que nos últimos seis meses o banco recebeu mais ligações buscando informações sobre o pagamento do que em toda a sua história. O gasto do governo com benefício já chega a R$ 254 bilhões e, segundo o presidente da Caixa, sete em cada 10 adultos se cadastraram para receber o benefício. Ao todo, 500 mil pessoas que enfrentaram problemas para receber a ajuda do governo acabaram de ter o cadastro aprovado e, com isso, vão receber o auxílio emergencial ainda com o valor cheio. “Todas as pessoas aprovadas receberão cinco parcelas do auxílio emergencial com os valores Originais”, afirma. Ainda existem, no entanto, quase 300 mil pedidos em análise. O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, admite muitas dificuldade, mas acredita que até o fim do ano os cadastros devem ser aprovados.

O novo programa do governo, o Renda Cidadã, que chega com a promessa de ocupar um espaço deixado pelo auxílio emergencial tem causado desgastes para o Palácio do Planalto. O problema é que sinalização dada neste semana é que o Renda Cidadã deverá ser financiado com precatórios e também com valores do Fundeb. O secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, afirmou que o governo está atento para as reclamações do mercado, que demonstrou reação negativa ao anúncio. “Essa foi uma solução política apresentada. Agora, cabe a nós mostrar o que significa isso, qual a repercussão dessa medida. O mercado já deu um alerta. Agentes econômicos em geral. Tanto a proposta quanto os sinais emitidos pelo mercado têm de ser levados em consideração no debate daqui em diante”, disse. O presidente Jair Bolsonaro recebe nesta quarta-feira, 30, no Palácio da Alvorada o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, e lideranças da cassa para discutir possíveis mudanças na proposta.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin 

Ultimas notícias

Ideias para vender produtos artesanais

Empreender, para muitas pessoas, tornou-se uma forma de fazer uma renda extra. Desse modo, com o objetivo de auxiliar as pessoas que...

Melhores localidades em Tocantins para se conhecer

Frederico Gayer Machado de Araujo, grande empresário e nativo de Tocantins, comenta sobre os melhores lugares para se conhecer em seu...

Como manter um cabelo lindo e cacheado?

Para Leandra, a Diva do Brás, o cabelo cacheado está cada vez mais em alta, podendo até ser uma nova tendência nos...

Marco Antonio Carbonari dá dicas de harmonização com queijos

Receber amigos ou pessoas especiais em uma noite de vinhos para degustação e aperitivos é um dos programas...

Veja tambem