Governo entrega proposta da nova CPMF de 0,2% ao Congresso nas próximas horas

O governo federal acerta os últimos detalhes para entregar ao Congresso a segunda etapa da reforma tributária até esta terça-feira, 29. O texto incluirá a criação de um imposto sobre todas as transações financeiras, com alíquota de 0,20%, nos moldes da antiga CPMF, para desonerar a folha de pagamento. A proposta do Ministério da Economia também defende o aumento da faixa de isenção do Imposto de Renda para pessoas físicas dos atuais R$ 1.903,98 para R$ 3 mil. As mudanças sugerias pela nova etapa da reforma tributária devem dar fôlego ao governo para financiar o Renda Cidadã (ex-Renda Brasil), o programa social idealizado pela equipe de Jair Bolsonaro (sem partido) para substituir o Bolsa Família. O presidente se reúne na manhã desta segunda-feira, 28, no Palácio da Alvorada, com ministros e líderes da Câmara e do Senado para apresentar os detalhes do projeto e evitar desgastes na aprovação da medida.

A apresentação da nova CPMF coincide com o debate no Congresso do veto de Bolsonaro à ampliação da exoneração da folha de pagamento para 17 setores, marcado pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), para esta quarta-feira, 30. A extensão para dezembro de 2021 do benefício fiscal aos segmentos da economia que mais empregam no país foi incluída pelos congressistas durante a sessão que aprovou a ampliação da medida provisória que permite a renegociação de acordos trabalhistas em meio à pandemia da Covid-19. O presidente, no entanto, vetou e determinou que a isenção encerrasse em dezembro deste ano, conforme o texto original aprovado no governo da ex-presidente Dilma Rousseff. A proposta do governo prevê a desoneração do imposto sobre quem recebe um salário mínimo (hoje em R$ 1.045) e de reduzir a alíquota para outras faixas salariais. Originalmente prevista apenas para transações digitais, membros da equipe de Paulo Guedes já afirmaram que a alíquota de 0,20% irá incidir sobre todas as formas de pagamento, com arrecadação estimada de R$ 120 bilhões ao ano. A visão do Ministério da Economia é que quanto maior a base de arrecadação, menor será a alíquota, ou seja, quanto mais pessoas contribuírem, mais baixo será o valor para cada um. A criação do imposto sofre forte resistência no Congresso, e em diversas oportunidades Alcolumbre e Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, afirmaram que não há clima para a aprovação do novo tributo.

A segunda etapa da reforma tributária também incluirá o aumento da faixa salarial para a cobrança do imposto de renda. Atualmente, todos que recebem até R$ 1.903,98 devem contribuir. O governo propõe que esse valor seja de R$ 3 mil. Segundo o deputado Ricardo Barros (PP-PA), líder do governo na Câmara, a mudança beneficiará 14 milhões de brasileiros. Além das mudanças para pessoa física, o texto do governo também prevê a redução de 20% para 25% dos impostos para empresas e demais pessoas jurídicas, além de propor a tributação de dividendos, como é chamado o lucro das empresas distribuído entre os sócios.  O governo federal também estuda a criação do Renda Cidadão (antigo Renda Brasil), o programa de assistência social idealizado para substituir o Bolsa Família. A ideia de Bolsonaro é distribuir R$ 300 por beneficiado, o mesmo valor do atual auxílio emergencial, e acima dos quase R$ 200 pagos pelo programa criado no governo petista. A fonte para financiamento, porém, foi o principal empecilho para o desenvolvimento do projeto, e o presidente chegou a afirmar que o Renda Brasil estava enterrado e que manteria o Bolsa Família.

A primeira etapa da reforma tributária foi entregue em 21 de julho e prevê a criação da  Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS), unindo o PIS e a Confins – os dois tributos federais sobre bens e consumo, que juntos somam cinco contribuições –, sob um mesmo guarda-chuva. O novo Imposto sobre Valor Agregado (IVA) federal virá com uma alíquota de 12%. Para especialistas, mudanças propostas pelo governo trarão mais simplicidade nos trâmites tributários, porém, setores, como o de serviço, terão aumento nas taxas. À época, a equipe econômica afirmou que a segunda etapa seria entregue até a primeira quinzena de agosto.

Ultimas notícias

Ideias para vender produtos artesanais

Empreender, para muitas pessoas, tornou-se uma forma de fazer uma renda extra. Desse modo, com o objetivo de auxiliar as pessoas que...

Melhores localidades em Tocantins para se conhecer

Frederico Gayer Machado de Araujo, grande empresário e nativo de Tocantins, comenta sobre os melhores lugares para se conhecer em seu...

Como manter um cabelo lindo e cacheado?

Para Leandra, a Diva do Brás, o cabelo cacheado está cada vez mais em alta, podendo até ser uma nova tendência nos...

Marco Antonio Carbonari dá dicas de harmonização com queijos

Receber amigos ou pessoas especiais em uma noite de vinhos para degustação e aperitivos é um dos programas...

Veja tambem