Em vitória da Lava Jato, STF devolve análise de ações penais e inquérito ao plenário 

Por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, na tarde desta quarta-feira, 7, devolver ao plenário da Corte a análise de inquéritos e ações penais. Desde 2014, estes procedimentos eram atribuições das duas Turmas, cada uma delas compostas por cinco ministros – apenas o presidente da Corte não participa de nenhuma delas. A decisão ocorreu na sessão administrativa desta quarta-feira e pode ser interpretada como a primeira vitória do novo presidente do STF, ministro Luiz Fux, defensor ferrenho da Operação Lava Jato. Segundo Fux, a alteração passará a valer para os processos em andamento. Com isso, ações de competência da Corte, como a Lava Jato, deixarão a Segunda Turma (formada pelos ministros Gilmar Mendes, Celso de Mello, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia e Edson Fachin) e passarão a ser analisados pelo plenário.

O julgamento em plenário ocorria até 2014, ano no qual o STF mudou seu regimento interno, em razão do grande volume de processos. Na prática, a mudança definiu que parlamentares (deputados e senadores) e ministros de Estado não mais seriam pelos 11 ministros em casos de crimes comuns. Em 2018, porém, a Corte restringiu o alcance do foro privilegiado e diminuiu o número de ações penais e inquéritos analisados por todos os integrantes do Supremo – segundo este entendimento, apenas o presidente da República, o vice, os presidentes da Câmara e Senado, os ministros do STF e o procurador-geral da República poderiam ser julgados em plenário. Na sessão desta quarta-feira, o ministro Luiz Fux afirmou que hoje “a situação é diferente”, ou seja, o plenário não está tão congestionado de processos. Decano da Corte, o ministro Celso de Mello, que se aposentará no dia 13 de outubro, elogiou a decisão. “A razão básica [da mudança de 2014] foi o movimento excessivo de feitos. Exemplo mais recente é a ação penal 470 [conhecida como Mensalão]. Levamos quase seis meses com sessões virtualmente diárias, julgando, e comprometendo o exercício pelo tribunal de seu poder jurisdicional. Hoje, no entanto, houve redução drástica. A mim parece que o retorno ao plenário restabelece uma situação tradicional. Tem também a marca da racionalidade, porque agora são as turmas que estão se inviabilizando”, disse Celso de Mello – esta foi a última sessão administrativa com a presença do ministro.

O ministro Marco Aurélio Mello também afirmou que “houve uma diminuição substancial do número de processos”. “O tanto quanto possível devemos atuar no verdadeiro Supremo, o revelado pelo plenário, Por isso, adiro à proposta de Vossa Excelência”, disse a Fux.  Apesar de ter votado favoravelmente à proposta do ministro Luiz Fux, o ministro Gilmar Mendes se queixou de não ter recebido a proposta antes. “Não faz sentido a gente chegar do almoço e receber a notícia de que tem uma reforma regimental”, disse. “Devemos sempre lembrar isso: o presidente é um coordenador de iguais. Isso é fundamental. É preciso dialogar. Todos nós nos habituamos a isso”, acrescentou. Integrante do STF desde 2002, indicado pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, Gilmar Mendes é um crítico da Operação Lava Jato.

Ultimas notícias

Ideias para vender produtos artesanais

Empreender, para muitas pessoas, tornou-se uma forma de fazer uma renda extra. Desse modo, com o objetivo de auxiliar as pessoas que...

Melhores localidades em Tocantins para se conhecer

Frederico Gayer Machado de Araujo, grande empresário e nativo de Tocantins, comenta sobre os melhores lugares para se conhecer em seu...

Como manter um cabelo lindo e cacheado?

Para Leandra, a Diva do Brás, o cabelo cacheado está cada vez mais em alta, podendo até ser uma nova tendência nos...

Marco Antonio Carbonari dá dicas de harmonização com queijos

Receber amigos ou pessoas especiais em uma noite de vinhos para degustação e aperitivos é um dos programas...

Veja tambem