Comissão especial deve votar PEC da prisão em segunda instância até o fim do mês

O relatório da PEC da prisão em segunda instância pode ser votado até o fim do mês na comissão especial da Câmara dos Deputados. O projeto já passou pela Comissão da Constituição e Justiça da Casa e precisa, agora, do aval do colegiado antes de ir ao plenário. O parlamento quer mudar o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) de 2019, em que condenado só cumpre pena após o trânsito em julgado. Ou seja, a prisão é decretada depois de esgotadas todas as possibilidades de recurso. Antes, em 2016, o próprio Supremo avaliava que a segunda instância já seria suficiente para levar alguém a cadeia: era o caso do ex-presidente Lula. O autor da Proposta de Emenda à Constitutição (PEC), deputado Alex Manente, aposta no apoio da maioria para a aprovação. “Nossa expectativa é que ainda em agosto o presidente chame a reunião, traremos o relatório e votar na comissão especial, onde estamos trabalhando arduamente para ter maioria. Depois passa para o plenário, onde precisaremos de 308 em dois turnos, maioria qualificada. Só conseguiremos isso se a sociedade retomar isso como prioridade e exigir que o Congresso dê prioridade ao combate à corrupção em nosso país”, afirmou, acrescentando que a proposta trará um novo ordenamento jurídico sobre o assunto ao país. O relator do projeto, deputado Fábio Trad, pede pressa.

“Ela está com relatório pronto desde setembro do ano passado. Compete ao presidente da comissão especial designar a data de votação do parecer. Se ele for aprovado, será encaminhado ao plenário para deliberação. O Brasil precisa de uma Justiça mais efetiva, menos morosa. Por isso, a PEC precisa ser aprovada o quanto antes”, pontua o parlamentar, que lamenta os atrasos na análise da matéria desde o ano passado. O jurista Modesto Carvalhosa destaca que cabe ao Congresso Nacional reparar o entendimento do STF. “Os aspectos políticos dessa tetralógica são por demais conhecidos e rejeitados pelo povo brasileiro, que encontra nesta Casa de representantes a maneira de, dentro dos termos da democracia, reparar esta afronta à cidadania e aos seus direitos”, pontua. Para Carvalhosa, a mudança do Supremo provocou uma crise institucional no país. A PEC da prisão em segunda instância, se aprovada, não prevê a retroatividade. Ou seja, será aplicada em novos processos.

*Com informações do repórter Fernando Martins

Ultimas notícias

Ideias para vender produtos artesanais

Empreender, para muitas pessoas, tornou-se uma forma de fazer uma renda extra. Desse modo, com o objetivo de auxiliar as pessoas que...

Melhores localidades em Tocantins para se conhecer

Frederico Gayer Machado de Araujo, grande empresário e nativo de Tocantins, comenta sobre os melhores lugares para se conhecer em seu...

Como manter um cabelo lindo e cacheado?

Para Leandra, a Diva do Brás, o cabelo cacheado está cada vez mais em alta, podendo até ser uma nova tendência nos...

Marco Antonio Carbonari dá dicas de harmonização com queijos

Receber amigos ou pessoas especiais em uma noite de vinhos para degustação e aperitivos é um dos programas...

Veja tambem