Caso Covaxin: Luis Miranda presta depoimento à Polícia Federal sobre suposta prevaricação de Bolsonaro

O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) presta depoimento à Polícia Federal (PF) na tarde desta terça-feira, 27. O parlamentar é ouvido há aproximadamente uma hora, no âmbito do inquérito que apura se o presidente Jair Bolsonaro prevaricou no caso das supostas irregularidades na compra da vacina Covaxin. A oitiva estava inicialmente marcada para a semana passada, mas foi remarcada depois de o congressista alegar que acompanharia a filha em um torneio de kart, em Londrina, no Estado do Paraná. Em uma postagem em seu perfil no Twitter, Miranda afirmou que foi sozinho à sede da PF. “Quem está com a verdade não precisa se preocupar. Já disse que tenho como provar tudo que eu disse, a verdade não precisa de estar acompanhado de ninguém para reafirma-la”, escreveu.

No final do mês de junho, o deputado e seu irmão, Luis Ricardo Miranda, chefe de Importação do Ministério da Saúde, depuseram à CPI da Covid-19 e relataram supostas irregularidades no processo de aquisição do imunizante indiano. Aos senadores, o servidor da pasta afirmou que sofreu “pressão anormal” de subordinados do então ministro Eduardo Pazuello para agilizar a importação da vacina. Os irmãos Miranda se reuniram com o presidente Jair Bolsonaro no dia 20 de março, no Palácio da Alvorada, para repassar o caso ao chefe do Executivo federal. À comissão, eles disseram que Bolsonaro se comprometeu em acionar a Polícia Federal, o que não ocorreu. De acordo com a versão apresentada pelo Palácio do Planalto, Pazuello acionou o número dois da pasta, o secretário-executivo Elcio Franco Filho, que não teria encontrado indícios de crimes. Apesar disso, o contrato para compra de 20 milhões de doses da vacina foi suspenso pelo Ministério da Saúde.

Após as denúncias feitas pelos irmãos Miranda, o vice-presidente da CPI da Covid-19, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), enviou notícia-crime ao Supremo Tribunal Federal (STF), sinalizando que Bolsonaro pode ter cometido o crime de prevaricação. A Suprema Corte determinou que a PF apurasse o caso e, por isso, o inquérito foi aberto. O caso Covaxin é uma das principais linhas de investigação da comissão. Nos últimos dias, os senadores criaram um núcleo de trabalho, composto por Simone Tebet (MDB-MS) e Tasso Jereissati (PSDB-CE), destinado exclusivamente à apuração das tratativas que envolveram o Ministério da Saúde, a Bharat Biotech, fabricante da vacina, e a Precisa Medicamentos, intermediadora do processo. Como a Jovem Pan mostrou, o dono da Precisa, Francisco Maximiano, conhecido como Max, prestará depoimento no dia 4 de agosto.

Ultimas notícias

Ideias para vender produtos artesanais

Empreender, para muitas pessoas, tornou-se uma forma de fazer uma renda extra. Desse modo, com o objetivo de auxiliar as pessoas que...

Melhores localidades em Tocantins para se conhecer

Frederico Gayer Machado de Araujo, grande empresário e nativo de Tocantins, comenta sobre os melhores lugares para se conhecer em seu...

Como manter um cabelo lindo e cacheado?

Para Leandra, a Diva do Brás, o cabelo cacheado está cada vez mais em alta, podendo até ser uma nova tendência nos...

Marco Antonio Carbonari dá dicas de harmonização com queijos

Receber amigos ou pessoas especiais em uma noite de vinhos para degustação e aperitivos é um dos programas...

Veja tambem